Economia, Notícias

Inflação fecha em 0,75%, sendo a maior desde 2015 para o mês de Março

O IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), que mede a inflação oficial do país, acelerou e ficou em 0,75% em março. É o maior resultado para o mês desde 2015.

Em fevereiro, a inflação ficou em 0,43%. Já em março de 2018, havia subido apenas 0,09%. Os dados foram divulgados nesta 4ª feira (10.abr.2019) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

NO ANO

No acumulado dos primeiros 3 meses do ano, o IPCA está em 1,52%, o maior para o período desde 2016, quando ficou em 2,62%.

Já no acumulado de 12 meses, alcançou 4,58%, acima dos 3,89% dos 12 meses imediatamente anteriores. O índice está acima do centro da meta do governo para o ano. Em 2019, o Banco Central persegue o alvo de 4,25% para inflação, com tolerância de 1,5 ponto percentual para baixo (2,75%) ou para cima (5,75%).

Analistas de mercado consultados pelo BC no boletim Focus esperam que o índice fique em 3,9% neste ano.

Em 2018, o IPCA fechou em 3,75%, abaixo do centro da meta para o ano, que era de 4,5%. No ano anterior, ficou abaixo do piso da meta pela 1ª vez desde a criação do plano de metas, em 1999, durante o governo Fernando Henrique Cardoso.

O QUE INFLUENCIOU

O resultado foi fortemente influenciado pelos grupos Alimentação e bebidas (1,37%) e Transportes (1,44%), que, juntos, representam cerca de 43% das despesas das famílias.

Nos alimentos, destacou-se a alta nos preços dos itens para consumo em domicílio, que cresceram 2,07%. Os itens que se destacaram foram: tomate (31,84%), batata-inglesa (21,11%), feijão-carioca (12,93%) e frutas (4,26%).

No caso dos transportes, os combustíveis foram os principais responsáveis pela alta, ao avançarem 3,49% no mês. Gasolina subiu 2,88% e etanol, 7,02%.

Ainda nesse grupo, as passagens aéreas ficaram 7,29% mais caras e o ônibus urbano, 0,9%.

Em Habitação, a alta foi de 0,25%. O item energia elétrica avançou pouco, 0,04%. “Cabe destacar que permanece vigente a bandeira tarifária verde, em que não há cobrança adicional por quilowatt-hora consumido”, diz o IBGE. O gás encanado ficou 0,79% mais barato e a taxa de água e esgoto subiu 0,46%.

O único grupo que registrou queda no mês foi Comunicação, com recuo de 0,22% nos preços. (Com Poder 360).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *